Pesquisas e estudos indicam: as mães são as mais afetadas pela pressão psicológica e sobrecarga de tarefas causadas pelo isolamento social da pandemia covid-19. Claro, o mundo inteiro sofre. Mas são elas, já atribuladas com a carga braçal e mental diária, a estarem à frente da necessidade em conciliar o cuidado com as crianças e a casa ao trabalho remoto. Com essa correria, resta a pergunta: que horas mesmo as mães cuidam de si? Pois a hora é agora: nesta edição da seção Cotidiano do Entre Nós, a vez é das mães!

A psicóloga Patricia Benayon Santos, mãe de Pedro (8 anos) e Maria Clara (5 anos), é colaboradora da Gerência de Pessoas. Para ela, ficar em casa tem sido um desafio, com o qual lida praticando a resiliência. “Depois de algumas semanas de isolamento, percebi que não tenho como dar conta de tudo como gostaria e essa compreensão me ajudou a manter o equilíbrio emocional. Precisamos aceitar que não temos controle de tudo, portanto, muitas coisas vão acontecer diferente do que planejamos e não devemos nos sentir culpadas por isso”, aconselha Patricia.

Além de aceitar as próprias limitações e entender que “está tudo bem” em não ter controle sobre tudo, a psicóloga afirma ser necessário manter-se firme no que diz respeito a não absorver toda a carga e responsabilidade. “Não precisamos nem devemos cuidar de tudo. A conversa aberta é a principal maneira de mostrar que todos da família têm o seu papel. Precisamos sinalizar quando estamos sobrecarregadas e dividir as responsabilidades/tarefas, inclusive com os pequenos.  Aqui, por exemplo, dividimos as atividades de acordo com a habilidade de cada um. Dessa forma a rotina fica mais leve para todos”, orienta.

Veja mais algumas dicas de Patrícia para ajudar as mães a lidar melhor com a carga de atividades durante a quarentena

Tudo tem dois lados: estamos em uma situação nova e a melhor maneira de enfrentar isso é olhar o outro lado, valorizar o tempo que estamos com os filhos, a oportunidade de ensinar e aprender mais coisas. Isso não vai durar para sempre e com certeza faremos a diferença na vida dos nossos pequenos.

Tenha prioridades: temos que focar naquilo que é essencial, considerando o momento que vivenciamos. Um exercício interessante é listar tudo o que precisamos fazer e depois destacar alguns, no máximo cinco, desses objetivos e se concentrar apenas neles. Não adianta querer fazer tudo porque nem sempre é possível, e ficamos com a sensação de que não estamos dando conta, daí a importância da prioridade.

Rotina: manter uma rotina, ainda que mais flexível e adaptada à nova realidade, é fundamental, pois ajuda a controlar a ansiedade. No caso das crianças, então, é importantíssimo, já que, com isso, elas sabem o que esperar, e tarefas simples podem ser feitas com menos conflitos. 

Converse com as crianças, peça a colaboração delas: é necessário fazê-las entender o que estamos passando e ter a noção de que é algo temporário. Mesmo que elas não tenham a compreensão plena do que acontece, converse, adapte de forma lúdica as situações. Ainda que não captem o todo, as crianças costumam ser muito solidárias, do jeitinho delas, com um carinho, um gesto amoroso.

Tenha um tempo para si: busque, dentro das possibilidades, fazer algo que nunca fez e sempre teve vontade. Que tal dar início a um novo hobby?

Mãe da pequena Mariana, de 5 anos, Verônica da Silva Marques, instrutora de beleza do Senac, também tem sentido o peso do período de distanciamento social. “Eu já passei por diversas fases nessa quarentena. No início, mantive horários para estudo, brincadeiras, regras para utilizar eletrônicos, estimulava sempre minha filha com atividades de desenvolvimento. Limpei a casa nos últimos meses mais vezes que nos últimos dois anos, imagina! Aos poucos, fui relaxando e adaptando a nossa nova rotina, cumprindo tarefas, porém, com menos cobranças. Isso deixou nossos dias mais leves e menos estressantes”, disse Verônica.

Como especialista da área de beleza, Verônica acredita que cuidar de si, apesar de toda a tensão, correria e responsabilidade, é fundamental para manter a cabeça e as emoções no lugar.

“Durante a pandemia, muitas mulheres têm se sentido ainda mais sobrecarregadas com as demandas de trabalho no home office e os filhos. Por isso, é importante olhar para si, seja por meio de reflexão, terapias holísticas, práticas de meditação ou mesmo cuidados com a beleza. Tudo é válido.”

Parece complicado em meio ao turbilhão atual pensar em um momento para si, ainda mais dedicado a cuidados estéticos? Pois respire fundo. Começar aos poucos é o conselho de Verônica para quem está às voltas com a intensa rotina de trabalho-cuidados com a casa – atenção aos filhos.

“Não pense no cuidado com você como mais uma das inúmeras obrigações do seu dia. Pense como uma recompensa merecida. Há muitas coisas simples e possíveis de fazer que embelezam, mas também relaxam e revigoram: esfoliações corporais com produtos naturais, máscaras para o rosto e cabelo à base de abacate, mel, aveia. O importante é fazer algo que a mulher goste, que a deixe revigorada e mais feliz”, complementa a instrutora.

Confira outras sugestões de Verônica:

Não se deixe de lado. Os pais são modelos de comportamento para os filhos. Tirar um tempinho para cuidar do exterior é importante, pois ensina aos filhos o autocuidado.

Mantenha ou crie uma rotina de cuidados com seu corpo, rosto e cabelos. Além das receitas com produtos naturais, há disponíveis no mercado diversos produtos de rápida ação e que podem ser utilizados durante o banho.

Cuide do cabelo e fuja da tentação da tesoura. Um cabelo bem cuidado, hidratado, deixa qualquer mulher mais animada. Fuja da tentação de cortar a franja ou o cabelo sozinha, pois, se algo der errado, você pode amargar alguns meses até o cabelo crescer novamente ou poder ter acesso a um cabeleireiro para ajustar os fios.

Use o poder da maquiagem para levantar a autoestima. Não precisa ser uma super produção. Se você está olhando no espelho e se sentindo desanimada, uma maquiagem leve e rápida pode fazer a diferença. No dia a dia, costumo realizar minha rotina de skin care pela manhã. Para dar “um up” no visual, utilizo protetor solar com cor no lugar da base, pó compacto, blush, hidratante labial e máscara de cílios. Ah, é importante lembrar que os dermatologistas recomendam o uso do filtro solar mesmo em casa, pois a luz do computador emite raios prejudiciais à saúde da pele.

 

Uma alimentação de qualidade é determinante para o bom funcionamento de todos os sistemas do corpo humano. Em primeiro lugar, comer bem traz saúde e sensação de equilíbrio e bem estar físico. Mas não só isso! Uma alimentação rica, diversa, ajuda a manter a mente também sã.

A nutricionista Marcela Monteiro pode falar com propriedade desses dois assuntos, rotina materna durante o isolamento social e qualidade da alimentação. Coordenadora de nutrição do Sesc, ela é mãe de Victor Hugo, um rapaz de 15 anos.

“Nesse período, nós mulheres acumulamos as tarefas profissionais e domésticas. Agora, além do trabalho em home office, precisamos cuidar da casa e dar apoio aos filhos, que também estão tentando lidar com as questões do isolamento social. Não é fácil, mas precisamos buscar equilíbrio. E, nesse quesito, a alimentação pode ser um elemento importante, além de paciência, amor e resiliência, claro”.

A primeira orientação da especialista é fugir dos excessos. “Passamos por um momento de muita ansiedade, o que pode impactar na forma como nos relacionamos com a comida. Fique de olho nesses exageros e opte sempre por alimentos naturais tanto para as refeições quanto para lanches ou saciar aquela pequena gula que nos assola de vez em quando”.

Anote mais dicas da nutricionista Marcela Monteiro

Consuma alimentos que dão energia. Os carboidratos são uma espécie de combustível para o nosso corpo. Em excesso, como tudo na vida, fazem mal. Opte por alimentos integrais, que possuem carboidratos complexos, de mais fácil digestão. Busque uma dieta balanceada, com vegetais, cereais, grãos e proteínas. Como as carnes vermelhas são ricas em gordura e de difícil digestão, deve-se dar preferência a carnes brancas.

Fuja das guloseimas e alimentos ultra processados: macarrão instantâneo, biscoitos recheados, achocolatados em pó, alimentos prontos, refrigerantes e sucos processados, molhos prontos industrializados devem ficar fora da sua despensa. Eles são ricos em açúcares, gorduras e prejudiciais à saúde. 

Sabe aquela vontade de comer um doce? Invista nas frutas! Escolha frutas da estação, pois estarão mais docinhas e apetitosas.

Não resiste a um chocolate, fique tranquila! O chocolate pode ajudar a aliviar a tensão. Mas não vá abusar. A escolha deve ser sempre pelos que contêm mais cacau na composição, preferencialmente acima de 60%.

Em busca da serotonina: alimentos ricos em triptofano, aminoácido que auxilia na produção de serotonina, como sementes, aveia, nozes e outras oleaginosas, são ótimos aliados. Eles ajudam no controle emocional e no combate à tensão e ao estresse. 

O hormônio do amor: vegetais verdes escuro, como couve, brócolis, por exemplo, são ricos em ácido fólico, que participa na produção de dopamina (também conhecido como hormônio do amor).

Hora do chá: chás de maçã, maracujá, erva-doce e capim-cidreira ajudam a relaxar e acalmam. Você pode utilizar folhas, chás em sachês, cascas das frutas ou até mesmo a própria fruta em pedaços. As gestantes devem ter cuidado com os chás, evitando consumir sem saber se são prejudiciais ao bebê. Para elas, chás populares, como canela e boldo, nem pensar! Já pessoas com pressão alta devem evitar chás ricos em cafeína, tais como chá verde, branco, preto e mate.

 

Pequenos movimentos de automassagem ajudam a liberar tensões e o estresse acumulado. Quem dá a dica é Rouber Albuquerque, instrutor do Senac RJ. Assista ao vídeo do especialista e aprenda movimentos de Do-in, técnica oriental que utiliza a pressão dos dedos em partes específicas do corpo em busca de relaxamento, para ficar leve e solta.

Acompanhe o Instagram do Senac RJ (@senac_rj) para mais dicas e vídeos de automassagem.

Veja a matéria Cotidiano do mês anterior.